Sssssss - Parte 1

Eu não sei quanto a vocês, mas eu ainda não capitulei diante dos DVDs de última geração; das super telas de plasma ou LCD; nem tampouco às maravilhas do dolby digital doméstico dos home theaters, abandonando de vez as tradicionais salas de cinema. Não, senhor! Pelo menos uma vez por semana eu estou lá, naquele salão escurinho, com ar refrigerado, comendo pipoca e curtindo aquela tela imensa.
Se você consultar qualquer livro de geografia, vai constatar que não existe nenhum planeta chamado Cinema no nosso sistema solar. Mas esperem só até a NASA colocar em operação o novo telescópio espacial JWST, em substituição ao Hubble. Aí, vocês hão de ver, este planeta vai estar lá sim, senhora! Ou acaso vocês imaginam que esse negócio de cinema consiste apenas em comprar o ticket, entrar na sala, assistir ao filme, e sair após o The End? Ledo engano! Saibam, pois, que é um planeta rico em variedades, tanto quanto a nossa velha Terra.

Todos certamente conhecem um "contador" de filmes. Isso mesmo, aquele cara que assiste ao filme primeiro do que todo mundo, e resolve sair contando por aí - o que na maioria das vezes é uma verdadeira tortura ter de ouvi-lo. Sim, porque tem aqueles - por exemplo, que vão deturpando a história ao seu bel-prazer. Uma vez mesmo, uma amiga me contou aquele filme com o Clint Eastwood e a Meryl Streep, As Pontes de Madison (The Bridges of Madison County), e, na sua versão, o personagem de Eastwood abandona a sua esposa; o da Meryl, por sua vez, se divorcia do seu marido, e ambos ficam juntos para sempre. Por sinal, tiveram até filhos. Dias depois, fui assistir ao filme e saí revoltado do cinema, pois não se passara praticamente quase nada do que esta amiga havia me contado. Na verdade, o Eastwood morre, e a Meryl só toma conhecimento desse fato muitos anos depois.
De outra feita, um primo meu, fazendeiro, criador de gado, um desses caras metidos a durão e que só anda vestido de cowboy, foi assistir a Brokeback Mountain. No dia seguinte o encontrei, e quis saber se o filme era bom, etc, etc. Ele contou que era a história de dois cowboys da pesada, daqueles que pegavam touro à unha, laçavam uma vaca de olhos vendados, além de farristas e mulherengos contumazes. Bem... você sabem... na realidade a história não é bem assim, não é? Os caras sequer cuidavam de bois e vacas, mas sim de ovelhas.

Tem outro tipo de contador de filmes o qual eu recomendo prudência, e pelo menos manter certa distância ao ouvir as suas narrativas. É o fã dos filmes de artes marciais. Além de não se limitar a simplesmente contar o filme, ainda tenta repetir aquelas coreografias ao estilo Jackie Chan, ou seja, é chute voando pra lá, soco voando pra cá, e, num desses, você corre sérios riscos de - no mínimo -, sair de nariz quebrado.

Mas se vocês conhecem alguém que merece um castigo com requintes de crueldade, é só obrigá-lo a ouvir um filme contado pelo meu tio Josias, irmão mais velho do meu pai. Você aí, lembre-se da pessoa mais zen que você conhece. Lembrou? Perdeu seu tempo! Tio Josias, é mais! Para se ter uma idéia, o tempo gasto por tio Josias para dizer a frase "Brasília é a capital do Brasil", é o mesmo que você leva para ler metade de Guerra e Paz, aquele romance de Tolstoi. Como se isso fosse pouco, ele ainda intercala entre as frases da sua narração, e até mesmo nas suas conversas normais, duas palavras das quais jamais soube o real significado: papu e babu. Sei apenas que são vocábulos oxítonos, pronuncia-se papú, babú. Por outro lado, ele só conta filmes antigos. Vejam o que seria uma pequena amostra de tio Josias contando o eternamente clássico, E o Vento Levou (Gone With The Wind): "a história começa numa festa... papu babu, papu babu... em uma grande plantação sulista de algodão dos Estados Unidos... papu babu, papu babu... chamada Tara, situada no norte da Georgia... papu babu, papu babu... enquanto todos os convidados se divertiam... papu babu, papu babu... Scarlett O'Hara ainda se vestia, em seu quarto...papu babu, papu babu... com a ajuda de uma escrava chamada Prissy... papu, babu..." Relembrem que este filme tem duração de aproximadas quatro horas, o que remete a narrativa de tio Josias, acredito, ao mesmo padrão das torturas da antiga Inquisição.

Devo alertá-lo ainda para um ente peculiar desse planeta da sétima arte, um ser que inspira especial cautela no trato, o cinéfilo frequentador de cinematecas. Este amante radical de filmes iranianos, paquistaneses e argentinos, é aquela mesma pessoa que quando você estava na fase em que ainda lia A Ilha do Tesouro, de Robert L. Stevenson; ou Moby Dick, de Herman Melville; ele, contando com a mesma idade que você, no entanto, já era íntimo de Ulisses, de James Joyce; e Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust.
Se estiver em uma locadora de filmes, este indivíduo por vezes costuma irritar-se facilmente, bastando para tanto, a simples aproximação de um atendente: "Posso sugerir algo, senhor? Recebemos Piratas do Caribe 2, e a segunda temporada de Lost". Um sonoro não, entre dentes, geralmente é a resposta mais frequente, enquanto ele continua, sozinho, procurando aquele filme russo antigo, um cult, O Encouraçado Potenkim, de Eisenstein. Eu mesmo tenho uma amiga com esse perfil - cinéfila ortodoxa, e que terminou um namoro que já durava há quase um mês, simplesmente por saber que o filme preferido do seu namorado era Ghost. Moça radical, hein? É... esse pessoal é assim mesmo, implica com qualquer coisa! Até aquela musiquinha-tema deste filme, Unchained Melody, eles acham o maior saco; além do mais, não escondem de ninguém que o ator Patrick Swayze tem apenas duas expressões dramáticas: boca aberta e boca fechada. Mas ela bem que podia dar um refresco, afinal, tem também a Demi Moore, que estava uma gracinha no filme.
Mas a pior ofensa que um cinéfilo dessa categorial pode receber, é se alguém lhe sugerir assistir a um filme dublado. Aí, é o fim dos tempos! Um cara desses, mesmo sendo míope em alto grau, e ainda que tenha perdido os seus óculos, não assiste a filme dublado nem sob tortura.

... Continua na Parte 2. Até lá, e tenham o melhor fim de semana!

54 comentários:

lua prateada disse...

Passei!...deixei cair um beijo com carinho, acompanhado de um bom fim de semana.Bjinho prateado com carinho
SOL

andorinha disse...

Olá!
Venho retribuir a visita ao meu canto.
Voltarei para ler tudo com mais calma.
Entretanto, um bom fim-de-semana.
:)

carla granja disse...

olá é para dizer k fizeste bem em passar no meu blog e para dizer k lá ficou registado o teu nome eblog :=) sabes! há um bom tempo k nao vou ao cinema como tenho tv por cabo tenho quase 100 canais e passa muitos filmes bons e depois me dá preguiç pa me enfiar no cinemma :) mas por cso uma das minhas actrizes favoritas é a Meryl Streep e adoro o filme As pontes de madison :) aquela parte em k ela vai no carro com o marido e tá a chover o amante vai no crro da frente e se vê ela a colocr a mao no puxador da porta ,abre ou nao abre ,abre:) ela no briu :) adoro esse filme :)
bjo
e um bom fim de semana
carla granja

São disse...

Obrigada por sua visita, que espero seja repetida.
Mais uma vez adorei seu sentido de humor!!
Já regressei da viagem galaico-portuguesa: se quiser ver fotos,,,mas vá com tempo!
Bom fim de semana.

Blue Velvet disse...

Olhe Mr. Pickwick,
eu vou colocar um post e não um comentário.
Me desculpe, mas tem que ser.
Cê tá me baralhando as ideias.
Quando comecei a ler o seu blog, achei, pela forma como escreve, que é advogado.
Depois, fui ver a sua música e diz lá que é arquitecto.
Agora deixa-me um comentário que começa por Data Venia, o que, como é sabido, é uma expressão usada por advogados.
Afinal você é o quê?
Não que isso tenha muita importância, porque o que é importante mesmo, é a qualidade do que você escreve.
Aliás, acho que vou fazer um abaixo assinado, que o obrigue a escrever um post por dia, e COMPLETO.
Atão você deixa o post a meio?
É como ir ao cinema e não ver o fim do filme.
Eu amei este seu post sobre cinema.
Ainda por cima, fala nas Pontes que foi um dos filmes da minha vida.
Há 2 cenas nesse filme que não vou esquecer nunca:
Uma quando o Clint agarra a Merryl e lhe diz ( sei a frase de cor...):
Num universo de ambiguidades, este tipo de certezas só existe uma vez e nunca mais, não importa quantas vidas se vivam: Amo-te!
E a outra, claro, é a última, quando com a mão na porta, ela abre, não abre, abre, Não abre.
Ai que raiva!
Quanto às várias características de cinéfilos, que bem que você as descreve.
Faltou-lhe aquela em que o cara, num filme de suspense, começa pelo fim. GRRRRRRR
E tem razão: cinema é cinema, vídeo em casa é outra coisa. É bom, se você está resfriado, não pode sair, e aí vê um filme, bem quentinho na cama.
Mas ver OUT OF AFRICA em casa?
The Brokeback Mountain?
O Piano?
Impossível.
Quanto à recepção que pode preparar para mim, se arranjar um emprego para uma advogada, tou indo.
Adorava conhecer seu tio zen Josias.
Eu pensava que era zen, antes de imaginá-lo.
Volto para a 2ª parte
Papu, babu, para si também.

MIMO-TE disse...

Sorrio,

Gostei de o ler! e nota-se que gosta muitoooo de escrever, sorrio e deixo mimos.

Belo texto

Fátima disse...

Olá Oliver,

Tema muito actual, cinema... agora mais vazio... muito bom o teu texto, sensibiliza para continuar a ir ao cinema. Eu pessoalmente ainda vou ao cinema, dá-me mais prazer!
Gostei do teu tio zen Josias.
Vou voltar para ler a parte 2...

:-) um beijo e bom fim-de-semana

Alexandre disse...

Também não aderi por completo a essas coisas dos plasmas e blue rays e companhia - geralmente até vejo os filmes numa televisão pequena, pois o que mais me interessa são as histórias - depois há filmes que gostaria de ver em grande e com surrounds e essas coisas: Senhor dos Anéis, Cinema Paraíso, Uns e os Outros, O NOme da Rosa...

Um abração!!!!

Sunshine disse...

Gostei de ler sua descrição sobre cinema, filmes e cinéfilos.

Tudo muito bem descrito, com pormenores requitados de humor (seu tio Josias é um mimo hilariante).

Concordo plenamente contigo, nada como um bom filme visto numa sala de cimena, numa tela (telão, como vcs dizem), apenas não me agrada as pipocas e afins.

Um filme que também muito gostei "The Bridges of Madison Country" não teria o mesmo impacto visto na sala num ecrã de televisão.
Muito mais teria para te dizer, mas não seria um comentário . . . talvez um posto com direito a uma 2ª Parte (maldade a tua, fico esperando o resto ... mais uma semana :-( não dá, vai ter de fazer um esforço e arranjar tempo para a continuação)

Apenas uma coisinha mais, estive ouvindo sua música e fico fã de seu espaço, embora não saiba mt bem como comentar lá.

Bjs e fico aguardando pelo resto . .

Tenha um bom fim-de-semana ... cheio de NADA com tudo (cimena, música e ... Let the Sunshine ...

(fotos novas . . . meu tempo, tal como o seu é muito curto . . . e são tantas ....dê uma olhadinha no slide)

Klatuu o embuçado disse...

Dois ou três valem a pena... Eisenstein, etc.

O Sibarita disse...

Olá meu camarada! Estou em viagem de trabalho volto na próxima semana à Salvador ai sim vou comentar tudo que vc escreveu. Agora Dê um pulo no Sibarita deixei alguma coisa que nos remete aos bons tempo. kkk
abraços,
O Sibarita

O Profeta disse...

Olá amigo você é cá um escriba e com um sentido de humor fino...



Bom domingo


Mágico Abraço

Jasmim disse...

Adorei seu texto e pus-me a imaginar seu tio e eu a pensar que meu tio é que era do piorio...
boa semana e obrigada pela visita...

Sunshine disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sunshine disse...

Olá Oliver, passei para ler melhor, um post assim merece várias leituras e uma melhor análise de todas as divagações que contem.

Concordo plenamente com o final, filme "dublado", isso nunca. Já imaginou ver o velho cowboy, Wayne, falando brasileiro ou espanhol?? Nem pensar, prefiro nem ver.

Fique bem e tenha uma boa semana, aguardo a próxima sexta-feira pela Parte 2 . . . até lá, virei novamente ler, reler e ... triler

Um beijo e "Let the Sunshine .. ect... (não me lembro do resto, sorry)

Eärwen disse...

Amroth Tasardur, belo não?

Eärwen

herético disse...

diz-me que filme vês de digo-te quem és - sou da geração Eisenstein, mas confesso que não enjeito Jackie Chan...

... quanto a Demi Mooore, buah! que poderá esquecer as pernas de Sharon Stone?!...

excelente crónica! abraços

Sol da meia noite disse...

Pois... tem modernismos que não convencem...
*

R@Ser disse...

Adorei isso aqui!
Li e posso dizer que me diverti muito(hihihihih).

Bjinhos

Blue Velvet disse...

Olá Guilherme,
acabei de receber o seu comentário.
Será q me daria o seu e mail, para lhe responder?
Blue Velvet

carla granja disse...

oi ! passando para ver se tinha algo de novo para ler
♥ . . ♥ . . ♥ . . ♥ . . ♥ . . ♥ . . ♥ . . ♥
......... ) ` - . .> ' `( ........
........ / . . . .`\ . . \ ............vim♥
. ....... |. . . . . |. . .| ...........te♥
.. ....... \ . . . ./ . ./ ..........fazer♥
........... `=(\ /.=` ...............uma♥
............. `-;`.-' ............ .visita♥
. .............. `)| ... , ............ e♥
................ || _.-'| ......... deixar♥
............. ,_|| \_,/ .............. uma♥
. ...... , ..... \|| .' ..............rosa♥
....... |\ |\ ,. ||/ .................para♥
. ... ,..\` | /|.,|Y\, ................que♥
..... '-...'-._..\||/ ............ ....teu♥
......... >_.-`Y| .....................dia♥
.............. ,_|| .................fique♥
................ \||.............perfumado♥
................. || .............♥
................. || .Bjs...♥

e uma boa semana
carla granja

manuela disse...

Ahahahaah.
Diverti-me muito lendo o seu post.
Como hoje cá em Portugal está chovendo muito, até que melhorou o meu dia.
Que bem que escreve.
Sugestão:
Porque não se dedica a escrever um livro??
Vale bem a pena.
Olhe a escritora do Harry Potter, está podre de rica...
Adorei o seu Tio deve ser bem cómico estar ao pé dele.
Abraço
Manuela

Menina do Rio disse...

Que dizer...haja saco! Pois essa de filme dublado não rola mesmo! Trocam as falas. Quanto a tecnologia em cinema doméstico, dependendo do filme eu prefiro a telona. E na telona tb tem som digital.

Querido aquel blog meu que visitastes, ele anda meio que fechado e as vezes posto lá pq me pedem mas não tenho pretensão de continuar. Pode me ver no outro cujo link fica aqui na assinatura.
tem uma deliciosa semana!

Beijinhos

isabel mendes ferreira disse...

excelentérrimo!!!!!!!!!!!!!!




abraço.


deste lado do mar.

Eärwen Tulcakelumë disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Priscila Lopes disse...

Você é criativo, desde o título do blog até o desenrolar dos textos.

Eu o convido a conhecer o Cinco Espinhos, blog de críticas literárias em forma de literatura.

Toda semana, também, garimpamos a internet à procura do texto que valha a pena de um autor "desconhecido".

Participe de nossas enquetes. Comente. Ajude-nos a fomentar o diálogo sobre literatura "contemporânea".

Ah... braços!
http://cincoespinhos.blogspot.com

Eärwen disse...

Endorenna utúlien!
Pensas ainda?
Amroth Tasardur... é belo, acredite e aceite..
Precisas do livro do Eladalië, do ingólemo, lambengolmo ?
Posso mandar pelo Arqueiro Greenleaf de Mirkwood, basta para isso dar-me a direção por escrito, no teu mundo “e-mail”.
Anar caluva tielyanna!

Lélawen Ciryatan
(Eärwen)

manuela disse...

Oi, obrigado pela visita no meu simples blog.
Hoje escrevi sobre uma dura realidade.
Se quiser lá voltar agradeço
Manuela

Flavinha disse...

Cinema para mim é a grande invenção da humanidade. Nenhuma super-mega-ultra-blaster tela de LCD doméstica jamais será capaz de substituir a magia daquelas salas escuras.

Amo cinema. Sou daquele tipo que vai sozinha e fica lá, feliz da vida, sentada nas fileiras do meião, com um copo extra-grande de coca-cola light em uma mão e um chocolate branco na outra (sim, porque aquele barulhinho de mascação de pipoca acaba com a minha placidez, rsrsrs), esperando até mesmo pelos traillers e vibrando inclusive com as musiquinhas das vinhetas dos estúdios (a da 20 Century Fox, então, meu coração palpita, tem o maior carão de cinema).

E como todo cinéfilo que se preze, é óbvia, evidente e definitiva a minha ojeriza às 3 pragas de maior poder ofensivo ao gênero: os contadores compulsivos, os cabeçudos da sala escura e as dublagens. Aff... terrível.

Adorei o post. E te linkei.

Beijos e queijos.

Ótima semana!

Lord of Erewhon disse...

O blog do «famigerado» é esse: http://cronicasdapeste.blogspot.com/

herético disse...

abraços

Rafeiro Perfumado disse...

Depois de sair do cinema, gosto de passar pela fila de pessoas que vão entrar a seguir e dizer coisas como " Bem, se não fosse o cão, os gaijos tinham ficado lá presos" ou "nunca imaginei que tivesse sido o irmão do herói a tramar aquilo tudo". Nunca levei porrada, mas quem sabe um dia...

Claudinha disse...

Olá Oliver!
Eu sou fã de tecnologia, de carteirinha e só não tenho tudo por absoluta falta de $ub$tância, mas NADA substitui a telona, a emoção de estar ali naquela grandeza toda. Tem razão a emoção é única. Penso como você. Não gosto das críticas. O que um cara gosta, eu posso gostar ou não. Eu tenho que dar a minha opinião e para isto eu preciso ver o filme. Até aceito sugestões, mas eu é que decido. Adorei As Pontes de Madison, mesmo no final eles não ficando juntos fisicamente, porém eternamente juntos na essência. O Encouraçado de Potenkim, um filmão. Como você está certo, meu amigo...
Beijo!

[[cleo]] disse...

Olá Oliver!

Sabes uma coisa?
Fartei-me de rir com o teu texto brilhantemente escrito!

Esse teu tio Josias e o seu... papu babu, papu babu... está demais!!!

Eu também gosto muito de ir ao cinema e não tenho nada dessas modernices de que falas, em casa.

Como vês, o meu outro alter ego, veio-te visitar hoje e também escreveu algo lá por casa...

Beijo

Olhos de mel disse...

Oliver, meu conterrâneo, que prazer receber sua visita! Volte, sim? Adorei seu blog e seu post está maravilhoso!
Seu tio deve ser o maior barato...
Mas o pior contador de filmes... é aquele que chega e lhe conta o final de um filme, que você estava doido pra assistir. Poxa, pensa aí, a raiva? rsrsrsrsrs
Beijos

Maria Laura disse...

ahahaha... sabes eu adoro o "escurinho" do cinema e achei uma delícia porque conheço uma série de pessoas que têm essa mania de contar os filmes todos ( e ainda por cima, de forma errda...). Um post muito bem feito, especial para os amantes do cinema.

Sunshine disse...

Ssssssss ainda não é sexta-feira, ups, passei para te deixar um obrigado.

Bjs (no escurinho do cimena) :-))

Sunshine disse...

Ssssssss ainda não é sexta-feira, ups, passei para te deixar um obrigado.

Bjs (no escurinho do cimena) :-))

Cris Penha disse...

Olá Oliver...

Falar de cinema para mim é falar de sonhos... se por frente aquela tela e fez o mundo parar naquele instante e a maoir das satisfações que tenho!

Aguardando a segunda parte...


Um grande bj

Maria José disse...

Em poucas palavras, a magia do cinema, da sua história, dos sonhos que alimenta, da companhia que traz numa noite fria, dos sorrisos que desenha nos rostos sofredores.

Lord of Erewhon disse...

:)
... Em tempos idos, quando se clicava em KLATUU só havia o caminho para o «Goth Land»... depois nasceu o «Crónicas da Peste», ou seja, agora só sou o KLATUU quando estou de machado na mão... a trabalhar pois... ;)
Ou talvez esteja a contar mal... porque foi o KLATUU que começou a passear pela blogosfera... e o Lord of Erewhon só existia nas Comunidades MSN... Enfim, gosto de ambos, as duas faces de um rosto nunca são exactamente iguais.

Abraço.
P. S. Tenho mais saudades da cerveja do que das garotas.

Sah disse...

Simplesmente, o Melhor Blog Sobre Nada.rs.. E certamente, o mais rico e pleno nada!

Divertidíssimo esse post. Realmente, alguns contadores de histórias nos exigem certos cuidados..rs.. o contador estilo "ninja" principalmente! Ahhh, mas convenhamos um filme dublado (dependendo é claro!) é um crime à autenticidade!rs..

Mas, caro Mr. Pickwick, conte-me como chegastes ao meu blog. Fico curiosa por saber o que poderia ter trazido este sensível músico arquiteto, arquiteto-músico (arquiteto da música?...) até aqui, ops, digo lá. Gostei muito de Twilight!

Esse universo paralelo é mesmo surpreendente..

Um grande abraço,

ah! e nós sabemos quanto se exige de nossa vontade para fazermos de nossas semanas, nossos blogs, algo melhor, não é?

Priscila Lopes disse...

"Na verdade, o Eastwood morre, e a Meryl só toma conhecimento desse fato muitos anos depois."

Tipo... você contou o filme.


HAHAHAHAHHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHHAH

Ai, adoro seu blog e suas idéias. Planeta Cinema, eu queria habitá-lo.

Muito obrigada pelo comentário construtivo no Cinco Espinhos. Lá mesmo "comentei seu comentário".

Volte sempre!

Abraços

Diva disse...

Parece que cheguei tarde lol... tudo que pensei em dizer ja alguem o fez agrrr... bom, valeu na mesma e deixo-te muitos
bjs meus

Manuela Fonseca disse...

Olá!
Em primeiro lugar venho agradecer a tua visita ao meu blog, que muito me agradou.
Retribuindo o gesto, encontro no teu blog uma postagem que me deixou muito bem disposta. Para além da foto do filme "Casablanca", uma maravilha! E a referência a outro filme que adoro "As Pontes de Madison County".

Gostei muito do teu cantinho cheio de "nadas".

Um beijinho e bom fim de semana*
Manuela Fonseca

São disse...

Viva!
Será que dá para me visitar com alguma urgência?...
Desde agora, meu agradecimento!
Abraço.

Um Momento disse...

Olá:)
Andei aqui a ler e...e este blog é sobre o "nada" ui ui.
Gostei imenso deste espaço e do "nada" com que fui presenteada.
Muito bom mesmo
Parabéns!
Voltarei
Deixo um beijo com o desejo de um bom fim de semana
(*)

_E se eu fosse puta...Tu lias?_ disse...

eheheh

Gostei desses contadores de filmes....

Pois bem eu adorei ver Brokeback Mountain... econta-lo-ia como uma grande história de amor...

Mas quem "conta um conto acrescenta sempre um ponto"!

Espero pela parte II...

beijos

Rain disse...

Sempre muito original. Contadores de filmes... Humor fantástico.Só de imaginar os vários tipos já me ri. Porque é mesmo assim...
Beijos

Déa disse...

Pode jogar todas as pedras em cima de mim, mas até pouco tempo atrás eu aind preferia assistir a filmes na minha casa... Mas agora estou firme e forte todas a MANHÃS de domingo no Iguatemi. Adorava ir ao cinema, mas estava completamete insuportável!!! Bom, o problema nesse horário é que raramente eu encontro uma alma para me acompanhar, mas mesmo assim não desisto.
Quanto aos seus "perfis", para meu desespero, me enquadro mais com oda sua amiga que acabou o namoro porque o digníssimo gostava de Ghost. Gastava não: ADORAVA!!! Ela com certeza não perdeu nada em se afastar desse ser! E, sem dúvida: filme dublado é um sacrilégio!
Menino, eu adoro filmes... Posso ficar aqui horas e horas falando... Mas deixa eu ir. Voltarei em breve. Beijos e obrigado pela visita ao eu blog.

Carol Barcellos disse...

Já a mania de um certo pessoal que conheço fazer um resumo "fantástico" do filme, tipo: Dirty Dancing - a garota não consegue dar um salto, mas no fim consegue. Fala sério, essa é a história do filme? Bom, talvez para os machões que detestam filmes de dança. Deve ser inveja das reboladas do Patrick. Pq ele pode ter apenas duas expressões faciais, mas corporais, meu amigo, tem milhares, dança moooooooito. Bem, outra: Vem dançar comigo (o antigo) - o casal dança, a música pára e todo mundo bate palmas. Imagina, então como essa pessoa resumiria "A identidade Bourne": hahaha, nem quero arriscar, mas seria algo do tipo: O cara perde a memória e sai correndo...
Hahahahaha!!!!
Acho que esses conhecidos meus estão desperdiçando talento - poderiam ganhar um bom dinheiro como críticos de cinema.

Kisses, my "darling-querido"...
:0>

Å®t Øf £övë disse...

Pickwick,
Seja que tipo de pessoa for, odeio que me contem os filmes, ou pior ainda que estejam a ver o filme comigo, e tentem adivinhar em voz alta o que vai acontecer.
Quanto ao Ghost, eu simplesmente adoro, ou não estivessemos a falar de um filme onde participa a minha atriz favorita (Demi Moore).
Abraço.

Å®t Øf £övë disse...

Pickwick,
Aproveito a minha passagem hoje por aqui para te desejar um bom 2009.
Abraço.

Anônimo disse...

Obrigado por Blog intiresny